Segue-nos no Facebook e juntos vamos criar a maior comunidade de MMA em português!

Crónica do Trigo #3 – Um Pensamento sobre o Peso Leve!

O dicionário Priberam define leve como “Que tem pouco peso”, mas também como “Que se move com ligeireza ou agilidade”. De facto, apesar do nome enganador, a divisão dos pesos leves da UFC, é provavelmente a divisão mais profunda e com mais talento atual, com atletas que combinam agilidade e cardio imbatíveis que começam a escassear em divisões mais pesadas, com o poder de nocaute ausente nas divisões mais leves. Adicionalmente, o peso limite desta divisão corresponde ao peso médio de um adulto, o que resulta num maior universo de possíveis competidores para recrutar talento.

Desta tempestade perfeita resultou uma divisão muito volátil, com o cinturão a passar progressivamente menos tempo na cintura do mesmo campeão. Benson Henderson foi o último que conseguiu defender o título mais do que uma vez, entre 2012 e 2013, e a partir daí o título foi circulando com apenas uma (Pettis 2013, dos Anjos 2015) ou mesmo nenhuma defesa (Alvarez 2016, McGregor 2016).

A atualidade não parece sugerir que esta tendência vá desaparecer, pelo menos não imediatamente. O campeão, Conor McGregor, anda ocupado a lutar com todos os que lhe aparecem à frente fora do octógono, seja com Floyd Mayweather, o árbitro Marc Goddard, um oficial da Bellator, uns quantos gangsters de pacotilha irlandeses, ou supostamente mesmo o pai de um hitman de um cartel de Dublin. Apesar de um bate-boca na altura, não parece ter grande interesse em unificar o cinturão da divisão, tendo-se falado de possíveis superlutas com Tyron Woodley, George St-Pierre, ou um Nate Diaz 3, sendo mesmo possível que não volte a lutar na divisão de peso leve.

O campeão interino, Tony Ferguson, conseguiu praticamente limpar a divisão toda antes de chegar finalmente ao título. Está neste momento a fazer pressão para unificar o título contra McGregor ou para que este liberte o cinturão. Sendo esse o caso, não é neste momento claro contra quem seria a sua defesa imediata tendo em conta a sua sequência de 10 vitórias seguidas. Por outro lado, apesar de uma forma geral ter escapado a lesões e problemas maiores, Ferguson tem já 33 anos, querendo por isso escolher bem os seus oponentes.

Seguindo o ranking oficial, o número 2 é o invicto, mas com apenas 3 lutas em quatro anos e meio, Khabib “The Eagle” Nurmagomedov. Khabib vai enfrentar Edson Barboza no evento de fim de ano para decidir o número 1 (ou será número 2?) da divisão. O vencedor deste embate clássico de um wrestler com um striker vai provavelmente enfrentar Tony Ferguson, resultando na terceira ou quarta tentativa de marcar um Tony-Khabib, ou dando a Barboza a hipótese de vingar a submissão de há 2 anos atrás. Por outro lado, há que ter em conta os problemas físicos e lesões de Khabib, incluindo problemas a bater o peso, sendo expectável que eventualmente suba de divisão.

Logo atrás nos rankings, Eddie Alvarez e Justin Gaethje defrontam-se já neste fim-de-semana, Dustin Poirier lutou há duas semanas e Kevin Lee acabou de perder a luta pelo cinturão interino, não sendo claro se volta a lutar na divisão. Alvarez continua com negócios inacabados com Dustin Poirier, que vai escalando posições, mas o invicto Gaethje começa a justificar aqueles que lhe auguram ouro no futuro. A virem de ciclos negativos, Michael Chiesa e Beniel Dariush encerram o top 10 da divisão.

Numa altura em que a tendência é minimizar o corte de peso dos lutadores, é pouco provável que nomes consagrados da divisão dos meios-médios desçam para os leves, podendo de facto acontecer a transição contrária. Por outro lado, isto levanta também a interessante questão do que acontecerá com lutadores da divisão peso pena que decidam subir. Tendo em conta que “superluta” é a expressão da moda, o ex (à hora da escrita desta crónica) campeão José Aldo já pôs várias vezes a hipótese de subir de peso. O mesmo poderia acontecer com o campeão da divisão Max Holloway, particularmente tendo em conta que tem só 25 anos.

Por estes todos motivos, é neste momento extremamente difícil prever quem (se é que alguém o fará) é que conseguirá voltar a tomar as rédeas e dominar a divisão.

Diogo Trigo

Sobre o Autor

- Madeirense e fã do Clube Sport Marítimo, lidou com a síndrome de ser de uma ilha criando um podcast sobre MMA chamado Murro no Estômago. É também autor/administrador do site Ultimate Fight.

Comentar

Editar avatar »