Segue-nos no Facebook e juntos vamos criar a maior comunidade de MMA em português!

Espaço do Fontes #16 – Na Fronteira De Israel

Israel.

Sempre que ouvimos este nome – que na realidade é um substantivo – é a nossa própria memoria quem nos remete para uma miríade de imagens globais, sejam elas do País, outras mais bélicas, da Faixa de Gaza…bem, o que for.

O que muitos desconhecerão é que não faltará muito tempo para que passemos também a associar a palavra a outra imagem, bem mais distinta: a de um lutador de MMA.

Da UFC, mais concretamente.

É este o “outro Israel”.

Israel Adesanya.

E quem é ele afinal?

Pois bem, após o último UFC 221 já não serão muitos aqueles que realmente o desconhecem: na sua estreia pela Promotora, o Neo Zelandês, nascido na Nigéria –  e que apesar de se ter iniciado no Boxe, cumpriu uma longuíssima carreira de 57 combates no Kickboxing – conseguiu manter imaculado o seu registo de vitorias, que se cifra agora nos 12-0, além de ter arrancado uma brilhante vitória por TKO, frente a Rob Wilkinson, coroada como Performance Of The Night.

Mas não foi só.

Ohhh, não!

O que Adesanya fez foi bem mais do que isso:  colocou o universo MMA em total polvorosa!

Tal foi o brilhantismo da sua exibição que os críticos foram unanimes: estava encontrado o novo Jon Jones.

Na opinião deste autor, deveremos ter todo o cuidado com este tipo de comparações: se as semelhanças são evidentes, não será menos verdade que um combate na UFC – e é disto que estamos a falar, apenas um combate na maior Promoção mundial – não será uma amostra suficientemente duradoura para que possa ser sequer posicionada lado a lado com tudo o que é (ou foi…) um Campeão do nível do Nova Yorquino.

Mas que Adesanya promete…lá isso promete!

Bastou aliás perceber que nesse combate, logo que conseguiu por de lado o trabalho de “clinch” de Rob Wilkinson, mostrou a todos a razão de tanto “hype”: defendeu 12 das 15 tentativas de “takedown” do adversário e partiu para uma serie de “strikes “– e de técnicas- que só pararam quando o arbitro Steve Perceval decidiu parar a luta.

Nascido na capital da Nigéria, Lagos, Israel começou cedo a sua relação com os Desportos de Combate e ainda hoje colhe frutos do seu “background “.

Foi no Pais Africano que começou a treinar Taekwondo, era ainda uma criança.

No entanto, como tantos naquele Continente, os pais de Adesanya desejavam mais. Para eles próprios e para o filho.

O Gana foi a próxima paragem.

Não durou.

Foi em Outubro de 2001 que decidiram dar o passo decisivo: emigrar para a Nova Zelandia.

Primeiro para a cidade de Rotorua.

Depois e em definitivo, Whanganui.

E foi ali que se estabeleceram.

Israel começou, também ele, á procura do sonho.

Como lutador, pensarão vocês?

Nada disso, como…dançarino!

Foi esta a primeira paixão do rapaz nascido em Lagos.

Apesar dos dotes para a dança serem realmente bons, o seu destino era outro.

E começou no dia em que assistiu ao filme “Ong-Bak”, um dos “franchises” de maior culto no que ás Artes Marciais concerne.

Inspirado pelas imagens a que tinha assistido, decidiu iniciar os treinos no “Muay Thai”.

Derek Broughton acolheu-o debaixo da sua asa.

E Israel começaria a combater em 2008.

Em 2010, novo passo decisivo: a mudança para a metrópole Aukland e o inicio de uma sustentada carreira no Kickboxing, sob ordens de Eugene Bareman.

32 vitórias depois e estava na China, a lutar pela poderosa Kunlun Fight.

Seguiu-se a Glory e a partir daí o que se conhece: 12 vitórias seguidas no MMA e uma estreia de sonho na UFC.

Adesanya chegou para ficar, disso ninguém duvide.

O aviso que deixou após a sua luta frente a Rob Wilkinson é bem sinal disso mesmo: “middleweights, há um novo cão no quintal e acabou de urinar toda a “cage”.

E ainda se admiram se este homem chegar a Campeão?

 

 

 

Até para a semana… e boas lutas!

João Fontes

Sobre o Autor

Facebook Profile photo

Comentar

Editar avatar »