Segue-nos no Facebook e juntos vamos criar a maior comunidade de MMA em português!

Espaço do Fontes #4 – Werdum / Tybura

No MMA é assim: temos semanas de loucos – e as ultimas com o doping de Anderson Silva, o trash talk de que foi alvo Jon Jones, um muito bom UFC Fight Night Norfolk ou as lamentáveis atitudes de “Notorious” Conor Mcgregor foram fartas nesse aspeto – e outras em que a bonança se parece instalar após a tempestade.

Aconteceu assim nos sete dias que passaram: um período de acalmia mas onde, num mundo louco como é o do MMA e mais particularmente o da UFC, estamos longe de dizer que nada ocorreu. Claro que ocorreu. Ocorre sempre.

Com claro destaque para Werdum/ Tybura.

Gosto de ambos os atletas, cada qual por caraterísticas especificas que possuem: se o Brasileiro é aquilo a que se pode chamar um “all rounded athlete “, o Polaco consegue naquele seu estilo aparentemente pouco espetacular, tirar habituais coelhos da cartola que o têm ajudado nesta progressão até oitavo do mundo na categoria.

Neste combate, no entanto, apenas esteve bem numa das vertentes, a defensiva (Werdum, por exemplo, apenas conseguiu o seu primeiro takedown ao quarto assalto, apesar de que, até neste aspeto, o Polaco não ter deixado de sofrer mais de 100 head-shots, o que mostra que o adversário até poderá ter estado bem mais á vontade, do que aparentemente possa ter demonstrado).

No que à parte ofensiva concerne, Tybura mostrou limitações – ele que até é um finalizador – nunca conseguindo mostrar ser uma verdadeira ameaça ao domínio do Brasileiro.

Bastará pensar se, em 25 minutos de luta, algum de nós chegou verdadeiramente a acreditar que a braço que viria a ser levantado seria o seu?

Não, pois não…?

E Fabrício Werdum até nem realizou um combate do outro mundo: baseou o seu jogo em pontapés altos, principalmente frontais e uma ou outra tentativa de single leg e esperou.

Esperou para tentar fazer o que sempre faz: aguardar pelo erro adversário.

Este, no entanto, nunca chegou verdadeiramente.

Tybura foi fazendo o que pode – e não podemos esquecer que estava “só” a combater o numero dois do Mundo – e o homem de Porto Alegre percebendo que desta vez não iria conseguir atrair a presa para a teia que teceu, deixou o combate esgotar-se até ao “time limit”.

Não foi uma luta espetacular, mas foi um esforço notável de dois grandes profissionais que, acima de tudo, mostraram ainda um fair play incrível enquanto tentavam impor-se um ao outro.

Werdum e Tybura vieram mostrar que afinal, não há semanas calmas na UFC!

 

Até para a semana…e boas lutas!

 

João Fontes

Sobre o Autor

Facebook Profile photo

Comentar

Editar avatar »