Segue-nos no Facebook e juntos vamos criar a maior comunidade de MMA em português!

Previsão Murro no Estômago #2 – Cormier x Jones

Há quem diga que será o evento do ano, há quem diga que será o combate do ano, mas o seu nome é UFC 214, realizar-se-á no próximo Sábado, no Honda Center, em Anaheim, na Califórnia.

Um evento, com três disputas pelo título, com lutadores que há muito tempo estaríamos a aguardar para disputar títulos na UFC, com lutadores históricos que regressam e, claro, jovens promessas e possíveis candidatos a disputar títulos na UFC.

Jimi Manuwa (17-2) VS Volkan Oezdemir (14-1) – Divisão de Light Heavyweight

Um combate que pode indicar o próximo candidato ao título, entre um Suíço e um Nigeriano naturalizado inglês, ambos não são vistos pelos principais candidatos como concorrência, mas a verdade é que eles estão aqui por alguma razão.

Manuwa, sempre que lutou com candidatos ao título,  Anthony Johnson e Alexander Gustafsson, perdeu, o que faz dele um lutador que falha na altura da verdade e aqui tem a oportunidade de demonstrar que esse tempo acabou e que agora é um candidato ao título. Manuwa é um portento no jogo em pé (Striking), tem um poder de KO muito forte, 15 das suas 17 vitórias foram por KO, o seu kickboxing tem muita qualidade e também é muito forte no Clintch. Os seus pontos fracos são, a defesa de quedas, sendo o seu jogo no chão muito básico, e tem um queixo fraco.

Oezdemir, venceu Ovince St. Preux e Misha, não é a Tate mas sim, o Cirkunov, nos seus dois combates na UFC, enquanto a primeira vitória foi dos combates mais fracos que vi nos últimos tempos, em que ele foi um justo vencedor, apesar de ter sido avisado da luta com pouco tempo de antecedência, o segundo foi um bom KO em 42s, mas em que ele esteve em apuros até esse momento. Ele necessita desta vitória, para se colocar junto de Gustafsson, Jon Jones e de DC , dado que a UFC necessita de sangue novo para esta divisão. É um Striker, provavelmente menos técnico, mas também com qualidade no Clintch, sendo o seu ponto fraco o jogo de chão.

Aposta: Dois lutadores que proporcionarão, um excelente espectáculo e é candidato, ou a combate da noite, ou a finalização da noite. A minha aposta vai para a experiência de Manuwa.

 

Robbie Lawler (27-11-1NC) VS Donald Cerrone (32-8-1NC) – Divisão de Welterweight

Este regresso de Robbie Lawler, só é ultrapassado pelo regresso do “Bones”, e tem um confronto contra um dos lutadores mais activos nos últimos anos, 8 Combates nos últimos dois anos. A luta quase que acontecia no UFC 205, em Nova York, mas uma semana após o anúncio, a mesma, foi cancelada, por Lawler não se sentir ainda recuperado para combater, depois passou para o UFC 213, mas devido a uma infecção de Cerrone, a luta foi movida para o UFC 214.

Lawler, no seu último combate, há exatamente 364 dias, perdeu de forma surpreendente, o título contra Tyron Woodley com um KO no primeiro round, desde aí tem andado desaparecido, a tentar recuperar das mazelas, físicas e psicológicas, da perda do título. Passado em Wrestling, faixa-preta em Taekwondo, Lawler era visto como um dos “knockteadores” mais letais desta divisão, com bons contra golpes, boa defesa de quedas, sendo o seu jogo no chão a sua maior falha. Por outro lado, 1 ano sem lutar é muito tempo e as mazelas que tem destes anos todos, por ser dos lutadores que mais pancadas apanha no UFC, é dificil prever como regressará.

Cerrone, homem da Jakson Wink, que vinha num crescendo de forma com 4 vitórias consecutivas, sendo de destacar Rick Story e Matt Brow, foi parado por Jorge Masvidal com um TKO no segundo Round, deitando por “terra” tudo aquilo que tinha construído. O “Cowboy”, tem aqui a oportunidade certa para voltar a entrar na corrida pelo título, é um lutador completo no seu Striking, utilizando um  muay thai movimentado, a querer provocar muito pressão no seu adversário, tentando aplicar o máximo de golpes possíveis. O seu problema, é em tudo semelhante ao seu adversário, mas neste caso o seu Wrestling é irregular e, por isso, difícil de prever se fará moça no Lawler

Aposta: Outro combate candidato, ou a combate da noite, ou a finalização da noite. A minha aposta vai para o regressado Lawler.

 

Cris Cyborg (16-1-1NC) VS Tonya Evinger (19-5) – Título Featherweight

Combate da divisão mais esquisita da UFC, com a, desde o início, candidata principal ao título desta divisão, Cris Cyborg e a antiga campeã Bantamweight da Invicta FC. O título está vago, desde que Germaine de Randamie, rejeitou lutar contra Cris Cyborg, sabe-se lá porquê, e desde então Cyborg era para ter lutado com Megan Anderson, que entretanto por motivos pessoais não podia lutar nesta data, permitindo a Tony Evinger entrar para esta luta e para a UFC.

Cyborg, vem de dois combates, contra Leslie Smith e Lina Lansberg, em que teve de sofrer muito, devido à perda de peso, para lutar nessa divisão (Bantamweight). Desde então, ameaçou a UFC que só voltaria a lutar na divisão que é sua, e na qual foi campeã da Invicta FC, Featherweight. Cyborg, é uma máquina destruidora, com quem ninguém quer lutar, tem um muay thai de alto nível, alia velocidade, potência e explosão, no entanto a maior incógnita é o seu jogo no chão dado que nunca foi colocado À prova porque raramente permite às adversárias lutar com ela, mais do que 1 Round.

Evinger, uma das minhas lutadoras femininas favoritas da actualidade, tentou entrar na UFC pela mão do TUF 18, mas na altura as coisas não lhe correram bem, indo para a Invicta FC, onde ao longo dos anos tem sido imbatível. Uma lutadora que se tiver a força necessária, uma vez que não é fácil derrubar Cyborg, poderá ter argumentos para fazer frente a Cyborg, com um bom wrestling, aliado a um jogo no chão sufocante, onde para além de tentar finalizar por submissão, procura muitas vezes o Ground and Pound para poder deixar as suas adversárias KO.

Aposta: Candidato a combate mais rápido da noite. A minha aposta vai para a super e merecida campeã Cris Cyborg.

 

Tyron Woodley (16-3-1 Empate) VS Demian Maia (25-6) – Título Welterweight

O campeão mais injustiçado da UFC defrontará um dos lutadores mais injustiçados e mais cordiais da UFC. Após a vitória de Woodley, sobre Lawler, este teve duas defesas pelo título, contra o mesmo lutador, em que claramente o público nunca esteve do seu lado, mas em que alcançou um empate e uma vitória, por decisão dividida, contra o “Wonderboy”.

Woodley, nunca foi visto como um favorito à conquista do título, veio da Strikeforce como candidato ao título da “falecida”, e na UFC esteve em crescendo, até ter perdido com Rory Macdonald, recuperando-se contra Dong Hyun Kim e Gastelum, o que lhe deu a oportunidade pelo título, que acabou por vencer. É um Wrestler de alto nível, com um striking versátil e poderoso que pode deixar qualquer adversário KO. O cardio num combate de 5 rounds, é algo que lhe falta, ainda mais contra um lutador como Maia, que vai tentar do inicio ao fim pressionar o Americano com o seu Jiu Jitsu.

Maia, foram necessárias 7 vitórias consecutivas, Yakovlev, LaFlare, Magny, Nelson, Brown,  Condit e Masvidal, para finalmente Dana White/Sean Selby (Matchmaker da UFC), dar ao Brasileiro a, mais que merecida, oportunidade pelo título. Venceu uma variedade de lutadores, especialistas em Grappling, ou em Striking, o que faz dele um dos lutadores mais perigosos desta divisão. Demian, contraria a teoria, defendida por mim, que um lutador não pode ser unidimensional no seu jogo, assim o Brasileiro tem uma capacidade de Takedown de alto nível, aliado a um jiu jistu de elite e muito técnico, dificultando muitas vezes a vida aos adversários e tornando-o dos lutadores mais difíceis de vencer na UFC.

Aposta: A minha aposta vai para Woodley, por considerar que a sua potência, força e coração vai ganhar à técnica de alta qualidade de Maia.

 

Daniel Cormier (19-1) VS Jon Jones (22-1) – Título Light Heavyweight

IT’SSSSSS TIMEEEEEE… o combate mais aguardado dos últimos anos, depois do primeiro combate no UFC 182, em 2015, em que Jon Jones venceu DC, por decisão unânime, Jones envolveu-se numa série de problemas, inclusive foi preso, facto que levou a UFC a retirar-lhe o título. Entretanto, DC venceu o título e iríamos ter um rematch da primeira luta no UFC 197, foi cancelada por lesão do Cormier e Jones arrecadou o título interino, depois no UFC 200, iria acontecer a unificação do título, mas também foi cancelado por problemas de Jones com o Doping. Hoje, dia 28 de Julho de 2017, dia da pesagem, a luta mantém-se e esperemos que nada aconteça até a hora da luta.

Daniel Cormier, mais um mal amado pelos fãs casuais de MMA, no entanto é dos melhores que lá está, dos que mais se esforçou para chegar onde está agora e um futuro Hall of Fame. O “Good Guy” da história, colega de treinos de André Fialho na AKA, vai enfrentar aqui o seu inimigo de estimação e a única pedra no sapato, na sua excepcional carreira. O antigo capitão da seleção americana de Wrestling conseguiu adaptar de forma excepcional, o seu Wrestling ao MMA, tornando-se o melhor wrestler da UFC, a par com Khabib Nurmagomedov, tem facilidade em derrubar os seus adversários e apesar da sua aparência física, tem um condicionamento físico muito bom. Por outro lado, Cormier é um lutador que ao longo dos anos tem desenvolvido o seu boxe, que é versátil e eficaz e demonstrou nos seus combates, contra o retirado Rumble, que tem um bom queixo. Não obstante, nos últimos tempos tem-se notado uma queda, principalmente na dificuldade em atingir o peso, depois Jones parace afetar psicologicamente Cormier, ultrapassar tudo isto poderão ser factores determinantes para Cormier.

Jones, para mim não é fácil escrever sobre o lutador, que eu considero, o melhor de sempre, mas Jones é simplesmente o lutador mais completo de MMA que eu vi lutar. É um lutador camaleónico, consegue-se adaptar às diferentes estratégias de luta do seu adversário e traz sempre consigo novidades no seu jogo, o que surpreende os adversários. A sua base é o Wrestling, onde se destaca os seus suplex, mas Jones é mais que isso, tendo, também, um Muay thai de alta qualidade,  aprendido no Youtube. É um lutador rápido, que se movimenta muito bem, consegue facilmente fazer a transposição do seu jogo “em pé/chão” e tem uma estatura, tamanho de pernas e braços, que lhe permite alcançar muito bem os seus adversários. Não obstante, não luta há muito tempo, e é diferente participar em competições de Grappling (jiu-jitsu), ou fazer a preparação para as lutas no UFC 197 e 200, e entrar no octógono para lutar.

Aposta: A minha aposta vai para Jones, acredito que, apesar do possível ring rust, o seu talento e a vontade de demonstrar a Cormier,que ele é realmente melhor, farão toda a diferença neste combate.

Sobre o Autor

- Criador do Podcast Murro no Estômago e gosta de auto apelidar-se Analista, mas no fundo é só o Freitas Lobo do MMA

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »