Segue-nos no Facebook e juntos vamos criar a maior comunidade de MMA em português!

Previsão Murro no Estômago #8 – UFC Japão

Na madrugada de sexta-feira, temos o regresso da UFC ao Japão, mais concretamente na Super Arena de Saitama, com combates interessantes que poderão surpreender apesar do pouco star power. O evento sofreu um revés a uma semana da sua realização, quando “Shogun” Rua saiu do cartaz, por lesão, e foi substituído por Yushin Okami. Por outro lado, teremos a estreia no MMA de Gokhan Saki, ex campeão do Glory, que irá enfrentar Henrique da Silva, e ainda teremos o combate entre duas das últimas vitimas de Joanna Jedrzejczyk, Jéssica Andrade e Cláudia Gadelha.

Mizuto Hirota (19-8-2) Vs Charles Rosa (11-3) – Divisão de Featherweight

main card vai iniciar-se com um lutador Japonês muito experiente, mas com poucos resultados na UFC, e um lutador muito irregular mas que já ofereceu bons combates na maior empresa de MMA do Mundo.

Hirota, só está neste card porque é japonês, a UFC necessita de lutadores e é um lutador que proporciona um bom espetáculo. Tem apenas uma vitória na UFC, mas é um lutador que já enfrentou diversos nomes importantes do MMA Mundial. Mizuto, é um lutador muito resistente, é um hard hitter, feito para lutar em pé. Defensivamente é muito fraco e o seu grappling não lhe fica atrás.

Charles, homem da ATT (American Top Team), é um lutador muito completo, sendo faixa castanha de jiu jitsu. Desde que se estreou na UFC, tem variado entre derrotas e vitórias e se continuar a sequência anterior, agora vai vencer Hirota, dado que vem de uma derrota contra Shane Burgos. O seu grappling tem muita qualidade e adiciona a isso um bom striking em que utiliza muito os pontapés, para enfraquecer a base do seu adversário. O seu problema, é o striking defensivo contra strikers, agressivos e de pressão como é o caso de Hirota.

Aposta: Charles é mais completo, apesar dos seus problemas defensivos, por isso a minha aposta vai para ele.

Teruto Ishihara (10-4-2) Vs Rolando Dy (8-5-1) – Divisão de Featherweight

Combate entre uma “eterna” promessa da team alpha male que tem vindo a desiludir nos seus últimos combates e um lutador que faz o seu segundo combate na UFC depois de as coisas não lhe terem corrido bem no primeiro combate.

Ishihara, tem um estilo engraçado a lutar, mas a verdade é que o MMA não é um espectáculo de humor e ao longo do tempo o japonês tem perdido toda a “aura” que tinha à sua volta. Ishihara nos seus útimos 5 combates, empatou com Mizuto Hirota, na final do “Road to UFC Japan”, e venceu Julian Erosa e Horacio Gutierrez, sendo derrotado por Artem Lobov e  Gray Maynard. É um lutador muito confiante, com um excelente striking, principalmente ao nível das mãos e ao longo do tempo o seu ground game tem evoluído bastante graças ao trabalho da equipa de Urijah Faber. O seu problema está na defesa, tanto no grappling como no striking, onde luta com uma defesa baixa, o que o torna demasiado atingível, como vimos com Artem Lobov.

Dy, o “the incredible” é um filipino que irá realizar o segundo combate na UFC, no início da sua carreira mostrou-se um lutador emocionante, mas que ao longo do tempo e com a experiência percebeu que isso lhe poderia trazer dissabores. Atualmente, é um lutador mais calmo, mas continua a ser striker rápido e a ter um jogo de pés muito interessante. Os seus problemas estão na defesa do grappling e na sua resistência ao longo dos rounds, devido ao seu estilo dinâmico.

Aposta: Eu aposto na experiência do Ishihara.

Gokhan Saki (0-1) Vs Henrique da Silva (12-3) – Divisão de Light Heavyweight

Candidata a luta da noite, ou a fiasco da noite, Gokhan Saki antigo lutador da Glory, promotora de kickboxing, e com apenas uma luta no MMA, e logo com uma derrota, lutará contra um brasileiro com uma grande capacidade de KO.

Saki, faz a sua estreia na UFC e tem apenas um combate, que resultou em derrota, no MMA contra James Vikic (Who?). Saki dispensa apresentações no Mundo do Kickboxing com um record 83-12 e 59 das suas vitórias foram por KO. Saki tem umas mãos extremamente rápidas e pesadas, no entanto a unidimensionalidade de qualidade, poderá não ser suficiente quando enfrentar lutadores que já estão no MMA há mais tempo.

da Silva, o “Frankstein”, tem 90% das suas vitórias por KO, o que indica que poderemos ter neste combate uma slugfest. Vem de uma derrota contra Cutelaba e é um lutador que não oferece muitas surpresas aos seus adversários, e contra Saki, talvez fosse importante. Tem um poder de KO muito forte, com umas mãos muito pesadas, aliando com fortes pontapés. Frankstein é mais alto e, consequentemente, terá mais alcance, no entanto vai enfrentar alguém que o striking é a sua base, o que o poderá levar a passar algumas dificuldades.

Aposta: A experiência no MMA de “Frankstein”, apesar de não ser um lutador que possa surpreender, torna Henrique da Silva favorito.

Takanori Gomi (35-13-0) Vs Dong Hyun Kim (14-8-3) – Divisão de Lightweight

Japão contra Coreia do Sul, um ex campeão do Pride contra um lutador com o mesmo nome de um top contender da divisão de welterweight, mas que não lhe tem corrido muito bem a vida na UFC.

Gomi, grande estrela no Pride, campeão de Lightweight na companhia que foi comprada pela UFC em 2007, possui 21 anos de carreira profissional no MMA. Começou no Boxe aos 16 anos, o que explica o seu poder de KO acima da média, para um lutador desta divisão, aliando um jogo de wrestling apuradíssimo. Contra si, tem a idade e as suas últimas três lutas, que resultaram em três derrotas, o que demonstra que grande parte da sua intensidade e capacidade para Knocktear os seus adversários se tem perdido ao longo do tempo.

Kim, 2 derrotas e uma vitória na UFC, o “maestro”, tem um estilo de luta semelhante ao seu homónimo, apesar de não ter o jogo de clintch/grappling, principalmente defensivo. É um finalizador, principalmente em pé, tendo um striker de impor respeito e bastante intenso. Falta-lhe o grappling com lutadores com boa qualidade de wrestling e intensos no chão, como é o caso de Gomi.

Aposta: Apesar da idade Gomi é mais lutador que Kim, que na minha opinião não tem qualidade para estar numa empresa como a UFC.

Claudia Gadelha (15-2) Vs Jéssica Andrade (16-6) – Divisão de Strawweight

Um combate que começou a ser criado nas redes sociais e resultou numa excelente combinação, que poderá ser uma das melhores lutas da noite e uma das melhores lutas do ano.

Gadelha, a contender número 1 da divisão de strawweight e eterna rival de Joanna Jędrzejczyk, só possui vitórias excepto contra a campeã polaca. O seu jogo tem evoluído muito nos últimos anos, principalmente quando saiu da equipa brasileira, de José Aldo, Nova União. Tem origem no excelente jiu jitsu brasileiro e uma excelente capacidade para efetuar takedowns. O seu striking nos últimos tempos tem ficado cada vez melhor o que a torna das lutadoras mais completas desta divisão.

Andrade, última desafiante ao título, iniciou-se na UFC na categoria de peso galo e após 7 lutas e uma derrota contra Raquel Pennington, decidiu descer para o peso palha. Andrade nesta divisão venceu 3 lutas, até esbarrar com a campeã polaca, que demonstrou que está noutro nível. Jéssica, é uma lutadora de pressão, de intensidade, que gosta de reduzir a distância e pressionar as suas adversárias até deixa-las sem oxigénio. É uma lutadora com um striking pesado, para a sua categoria de peso, defende-se bem do striking, desde que seja na curta distância, e das tentativas de takedowns das adversárias. O seu grappling ofensivo, é ágil e demonstra muita inteligência na movimentação, não tendo nenhum problema para provocar submissões nas suas adversárias. O seu principal defeito é o “pulmão”, devido à sua intensidade, muitas vezes poderá começar a perder força, ao longo dos rounds, mas a verdade é que para 3 rounds, chega.

Aposta: A minha aposta vai para a grande Claúdia Gadelha.

Ovince St. Preux (20-10) Vs Yushin Okami (34-10) – Divisão de Light Heavyweight

Um rematch muito interessante entre um Shogun” Rua em recuperação contra um OSP que está num limbo, transformou-se simplesmente num Ovince Saint Preux contra um regressado Yushin Okami que já não lutava na companhia desde 2013.

OSP, antes da vitória contra Marcos Rogério de Lima vinha de 3 derrotas consecutivas contra Jones, pelo título interino, Manuwa e Oezdemir. Preux é um verdadeiro atleta, praticou wrestling, futebol americano e altetismo e quem o vê, realmente percebe que fisicamente o lutador está muito bem. É um lutador mediano, longe de ser candidato ao título, tem um kickboxing versátil e um jogo de chão, com um ground and pound extremamente intenso. O seu problema é a falta de técnica em geral e a forma displicente como muitas vezes luta, o que o deixa desprotegido e um alvo fácil para lutadores com maior qualidade

Okami, um welterweight a lutar no light heavyweight tem tudo para correr bem e a adicionar a isso soube da luta com uma semana de antecedência. Okami nos últimos tempos teve na WSOF, inclusive lutou pelo título dos médios contra David Branch, é um lutador muito duro de vencer, tem um boxe com pressão no clinch e nas quedas, no entanto é um lutador pouco empolgante e muito seguro naquilo que faz.

Aposta: A minha aposta vai para a grande Ovince Saint Preux.

Sobre o Autor

- Madeirense e fã do Clube Sport Marítimo, lidou com a síndrome de ser de uma ilha criando um podcast sobre MMA chamado Murro no Estômago. É também autor/administrador do site Ultimate Fight.

Comentar

Editar avatar »